domingo, 14 de outubro de 2012

Provençal





Nossas mãos dançaram num breve cumprimento
Meu coração dríade nascendo do teu
Teu peito em fogo acalentando o meu
Entrelaçadas almas predestinadas a um só monumento

Numa língua provençal que tolos entoam
Sábios tolos, que duas formas díspares transformam em uma.
Lábios tolos, que brindam embevecidos a lua.
E sussurram o óbvio segredo que os românticos apregoam.

Nossas mãos dançaram o amor provençal
Lábios e cordas trovadorescas exalando mel
Uma junção sem igual

Troca de ares esculpindo o céu
Lembranças inventadas do porvir
Acaso de amores sem fim

Fassura

2 comentários:

  1. Srta, como posso elucidar tal astúcia tua, ao descrever com profundidade intrínseca - de tua poética - ao descrever tais sentimentos? Maravilho-me mais uma vez em teus escritos! Bravo, minha cara!!!! Bravíssimo!

    Sinta-se abraçada e amada...

    ResponderExcluir