terça-feira, 13 de novembro de 2012

Almirante vermelho




Quisera eu ser Borboleta
Almirante vermelho
Quando o frio chegasse
Voaria até você
Largaria as divisas
Por quilômetros voaria
Voaria à noite
Buscaria os prados
Recolheria o néctar de teus lábios
Esconder-me-ia entre as flores
Faria floreios
Tingiria de vermelho nosso amor
Deixaria a cor soturna para trás
 Atrás das nuvens
Na aquarela azul viveria
Viveria no gerúndio
Amando você

Nenhum comentário:

Postar um comentário