sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Anônimo

Era rosto sem rosto
coração sem forma 
tempo ainda não nascido


Era um traço no acaso
Beleza invisível
Sem cor e sem brilho

Era um grito de verdade
Na imensidão do infinito
Coração de vidro

Uma lágrima vaporosa
Luz negra, radiosa
Um formato vão, no vazio


Era vento enclausurado 

uma estação no anonimato
Um olhar caído ...


Autoria: Fassura; Roselane Calhelha; Luiz Fernando Cabal; Bruno Serdera e Marcella Cobian

Um comentário:

  1. Um barato essa ideia.. pena não ter dado tempo de fazer parte disso.. :( mas oportunidades virão né Fassura??
    Ficou muito legal esse texto, interessante parecer q foi escrito por uma pessoa somente. rola uma unidade aí na forma de escrever e nas palavras escolhidas... legal!!

    Maninha.

    ResponderExcluir