sábado, 1 de dezembro de 2012

Entardecer



Quando meus olhos entardecerem
E pousarem sobre as lembranças
Te recordarei como lareira
Com brasas de esperança

Sonharei teus olhos ardilosos
Tua boca maciça
E teu corpo de barro

Esbarrarei nestas horas sem tempo
Onde o infinito estaca

Quando meus olhos entardecerem
Descobrirei teu corpo
Revelarei tuas sombras
Lançarei mão do futuro
Para viver o revés do agora

Fassura


Nenhum comentário:

Postar um comentário