sexta-feira, 7 de dezembro de 2012



O vento ficou doente... e os seres humanos... encalorados!
Esse tempo anda muito descuidado, só sabe viver de extremos
Derrama dos céus fortes lágrimas tempestuosas,
E quando sopra congela até coração...
E quando sol, só sabe explosão.
 Faz desfalecer a esperança, 
É miragem a razão... corpo assim se faz sedento
Evaporando na densidade do ar, 
Sem caber em qualquer espaço de tempo
Em meio ao caos e tormento do tempo doido de extremos, 
Cabe-nos tão pouco admirar... o manto negro pontilhado, 
Céu estrelado, maravilha na noite de pouco vento...
 Nessa vida que só pode ser desfrutar, 
Mesmo em meio à polos distintos, 
O que se persegue é mais que destino;
É mais que breve caminho; 
É o que há de mais indizível.
 É amar









Luiz Fernando Cabal;  Fassura

Um comentário:

  1. Lindíssimo!!!!
    Ficou muito legal minha Mana com M Maiúsculo!!
    Gostei muito dessa intensidade toda... talentos a vc e ao cabal!! :)

    ResponderExcluir